Desconfiança política

Juliano Domingues

O Brasil sofre da chamada síndrome da desconfiança generalizada. Seu alvo preferencial são as instituições democráticas. Até quando o País suportará o constante risco autoritário de se querer jogar fora a água suja com o bebê dentro?

Democracias já foram classificadas como um “pacto de incertezas previsíveis”, dado o alto grau de insegurança a que estão submetidas. Entretanto, para se reduzir turbulências, não há dúvidas sobre a necessidade de um elemento: confiança política. Nesse aspecto, o histórico da América Latina não é animador, muito menos o do Brasil.

A falta de confiança se traduz em insatisfação com a democracia. Dados da organização Latinobarómetro recentemente divulgados explicitam esse cenário. Ao ser comparado com os demais continentes, a América Latina é aquele com a menor parcela de população satisfeita com a democracia (37%). O Brasil possui um percentual ainda mais baixo (21%), à frente apenas do México (19%). Em primeiro lugar está o Uruguai (70%).

A série 1995-2015 indica que o resultado já foi pior. Em 2001, 25% dos latino-americanos se diziam satisfeitos com a democracia. Era a época da chamada crise asiática. Por outro lado, esse número passou a apresentar tendência de aumento a partir de 2002 até atingir 44% de satisfação em 2009 e 2010, período de fartura na economia. Em seguida, passou a cair, não por acaso em meio às crises do subprime e da Europa.

Os números indicam, portanto, que a satisfação com a democracia tende a variar associada a desempenho econômico. Pode-se observar isso em relação aos dados sobre crescimento do PIB. Quanto maior a renda per capita, maior o percentual daqueles que se declaram satisfeitos com o regime. Outro aspecto: se o desempenho econômico agrada à população, ela tende a aprovar o governo.

Embora o capitalismo seja compatível com o autoritarismo, ele está fortemente associado ao surgimento e à manutenção de instituições democráticas. Esses resultados reforçam a pertinência de hipótese já prevista e testada pela literatura em Ciência Política: quanto maior a renda per capita, maior a expectativa de vida de uma democracia.

A sedução autoritária estará sempre à espreita, torcendo pelo agravamento da síndrome da desconfiança. A solução para afastá-la passa por melhores dias na economia, tanto interna quanto externamente. Assim, preserva-se o bebê.

 

Juliano Domingues é doutor em Ciência Política e professor da Unicap.

Texto publicado no Jornal do Commercio no dia 05 de junho de 2016.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s