Com mais de 30

Juliano Domingues

Em 1971, Marcos Valle gravou uma ode à desconfiança. O samba-rock “Com mais de 30” recomenda: “não confie em ninguém…”. A música bem que poderia ser a trilha sonora da frágil democracia brasileira.

Pesquisa CNI/Ibope divulgada sexta-feira (01/07) indica que 66% dos entrevistados não confiam no presidente interino Michel Temer. Em levantamento do mesmo instituto realizado em março, 80% afirmaram não confiar na presidente Dilma Rousseff.

Esses números refletem o clima de suspeição generalizada já apontado nos últimos anos pelo Índice de Confiança Social (ICS) medido pelo Ibope. Em 2009, o ICS geral era de 60%; em 2015, após redução gradual, chegou a 49%. Em relação às instituições, no mesmo período, passou de 58% para 45%.

O maior nível de desconfiança recaiu sobre partidos políticos (17%), presidência da República (22%) e Governo Federal (30%). Esses dados ajudam a compreender os números da pesquisa CNI/Ibope. Pode-se afirmar que o resultado não surpreende.

Alto nível de confiança está associado a democracias robustas. Noruega (75%) e Finlândia (74%) são bons exemplos disso – os dados são do European Social Survey (ESS). Por outro lado, alto nível de desconfiança está associado a democracias frágeis. A América Latina (16%) e a África (15%) ilustram essa situação em termos regionais, segundo o Latinobarômetroe o Afrobarômetro, respectivamente.

A filosofia política sugere que seres humanos são naturalmente desconfiados. Isso seria reflexo de um instinto de sobrevivência. Entretanto, índices elevados de suspeição podem representar uma ameaça ao próprio indivíduo e à coletividade. Com receio de vir a se tornar a próxima vítima, o ser humano procura se antecipar pela força ou pela astúcia. Tem-se, assim, o estado de guerra hobbesiano de luta de todos contra todos. A ambição e a competição por poder engrossam com querosene esse caldo político e social.

Esse é um terreno fértil à lógica do “salve-se quem puder”. Em ambientes de baixo capital social, reduz-se a chance de indivíduos ou grupos cooperarem em busca de benefícios coletivos. É o que a literatura em Ciência Política chama de armadilha social. E quando não se confia em ninguém, todos perdem.

O samba-rock de Marcos Valle recomenda não confiar em ninguém com mais de 30 anos. Nossa jovem democracia ainda não chegou lá, mas vive sob forte suspeição.

 

Juliano Domingues é doutor em Ciência Política e professor da Unicap.

Texto publicado no Jornal do Commercio no dia 26 de junho de 2016.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s