Agenda de Pesquisa

Juliano Domingues

 

O impeachment de Dilma Rousseff é objeto de estudo exemplar para as ciências humanas e sociais. Por meio dele, a realidade se impôs e ofereceu uma extensa agenda de pesquisa em torno do debate sobre a qualidade da nossa democracia.

O volume de dados relativo ao caso é fantástico e pode ser facilmente acessado pelos interessados em adotar o evento como problema a ser investigado. Não faltam informações. Somente o relatório final, por exemplo, possui preciosas 27 mil páginas.

Ao longo dos últimos nove meses, as manifestações via mídias sociais demonstraram sua relevância. No Twitter, as hashtags #ImpeachmentDay, #RespeiteAsUrnas e #NaoVaiTerGolpe chegaram a liderar os Trending Topics mundiais. Durante votação no plenário da Câmara, em 17 de abril, foram 225 mil tuítes.

O impeachment também provocou uma avalanche de notícias na imprensa nacional e internacional. Editoriais, artigos e reportagens abordaram o evento sob os mais diversos enquadramentos e ressaltaram a necessidade de se investigar a relação entre mídia e política.

As atividades realizadas na Câmara e no Senado renderam um espetacular banco de dados audiovisual. Apenas a sessão de julgamento somou 68 horas de narrativas divergentes sobre a natureza e as reais motivações do afastamento da presidente. Disponível no Youtube, trata-se de material riquíssimo.

O volume de informação gerado pelo episódio sugere a dimensão da sua complexidade enquanto objeto de estudo. Entretanto, a ciência dispõe de ferramentas e estratégias de investigação que tornam possível sua análise, sob diversas perspectivas.

Decifrar o processo de impeachment com rigor teórico-metodológico e distante das paixões político-partidárias promete ser o principal desafio das ciências humanas e sociais nos próximos anos. Assim, será possível fazer inferências sobre a realidade e, com isso, compreender a dinâmica do evento, seus mecanismos causais e os interesses que o motivaram. Como diria Millôr, temos um longo passado pela frente.

Juliano Domingues é coordenador do Grupo de Pesquisa Políticas e Estratégias de Comunicação da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação-INTERCOM

Texto publicado no Jornal do Commercio no dia 04 de setembro de 2016.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s