Voto negativo

Juliano Domingues

O democrata Tony é vendedor em um loja de telefonia em Cuyahoga Falls, Ohio. Ao comentar sobre política, sorri constrangido. “Hillary não é a melhor alternativa, mas ao menos tem experiência”. O estudante Alex evidencia que o desconforto também é republicano. “Não é fácil acreditar no que Trump diz. Mas, fazer o quê?”.

Em um contexto de ampla insatisfação com a política, o chamado “voto negativo” ganha força. Nesses casos, a lógica da participação sofre uma releitura. Vota-se não para escolher o governante, mas para impedir que um adversário maior chegue ao poder. O cálculo é racional: parte-se do pressuposto de que o cenário pode ser ainda pior e, diante disso, opta-se não pelo “melhor”, mas pelo “menos ruim”. A ideia é de “redução de danos”.

Há evidências que indicam o aumento do fenômeno do voto negativo nos EUA. Pesquisa realizada pelo Pew Research Centre divulgada recentementeperguntou aos eleitores: “Você diria que sua escolha é a favor ou contra um candidato?”. Entre republicanos, 53% responderam que votariam contraHillary e 44% afirmaram que votariam a favorde Trump. Entre os democratas, 46% declararam que votariam contraTrump e 53%, a favor de Hillary.

Entre 2008 e 2016, a confiança foi corroída e o cenário se deteriorou. Naquele ano, 35% dos republicanos afirmaram que votariam contraObama e 59%, a favorde McCain. Entre os democratas, 25% responderam que votariam contra McCain, ao passo que 68% se declararam a favor de Obama. Se comparados os percentuais, percebe-se o óbvio: o eleitor dos Estados Unidos já esteve mais bem servido em termos de candidatos à Casa Branca.

O atual quadro levou o Ray C. Bliss Institute of Applied Politics, na Universidade de Akron, a classificar essas eleições como a “mais incomum campanha presidencial na história moderna da América”. Convidado para uma palestra no instituto na última quarta-feira (12), Mark Weaver, estrategista dos republicanos, lamentou: “estamos vivendo um dos piores momentos da nossa história, talvez o pior. Nós somos bem melhores do que isso”.

O voto negativo indica que o desempenho dos candidatos é, em grande medida, fruto não de mérito próprio, mas resultado do demérito do adversário. E isso é motivo suficiente para um desconforto generalizado.

Juliano Domingues é fellow do Ray C. Bliss Institute of Applied Politics, na University of Akron (EUA).

Texto publicado no Jornal do Commercio no dia 16 de outubro de 2016.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s